• Folclore 02.05.2012 5 Comments

    O HOMEM QUE FALAVA NORDESTINÊS

    Chamava-se José da Silva como tantos outros brasileiros e também tinha apelido. Era conhecido como Zé de Neném. Maria José, a esposa, era chamada assim desde pequena.

    Zé de Neném costumava tomar umas e outras e aprontar numas farras da pesada que iam até o outro dia. Certa feita eu estava num boteco e ouvi o Zé comentando com um amigo de bar;

    Sabe cumpadi, eu tava mermo precisando tomar uns goró. Foi bom lhe encontrar por aqui. Preciso de alguém pra contar umas resenha.

    Fale então homi, estou ligado.

    Pois é, saí de casa com a mulesta dos cachorro. O safado do Teleco é um infeliz das costa ôca. Foi comentar com a empregada lá de casa que tinha me visto solto na buraqueira.  Disse que me viu no muído antes de ontem e Neném acabou sabendo. O pior é que dei-lhe umas mãozadas e ele acabou me caguetando pra polícia. Só não fui preso porque ele não conseguiu provar nada. Num fiz certo?

    Né isso homi ; respondeu o amigo.

    Dizem que Nenén passou mal e teve até que tomar uma garapa pra acalmar. É lógico que tive que dá um migué nela. Enquanto ela engomava a minha roupa, ouvi duas horas de zuada e chororou. Mas a história não ficou bem resolvida não. Ela arrudeia, arrudeia mas acaba chegando onde quer. Ela demora a dá fé das coisas, mas quando descobre traficança arroxa o nó.

    O abestailado do Teleco tinha que falar nada. Aquela mania dele de mangar dos outros foi longe demais. A coisa ficou preta lá em casa. Sempre quando eu chego faço uma merenda antes de dormir que ela prepara bem reforçada, de arroz com a mistura bem temperada no molho.

    Ontem cheguei em casa e falei: Neném, cadê meu cumê?

    Ela botou pra decê: Vá comer na casa de sua rapariga e morra de caganeira. Aquela magrela de cambitos de siriema! Encha o bucho por lá. E num se isqueça de cheirar a suvaqueira dela.

    Aí foi que peguei ar de verdade. Saí de lá aloprado e aperriado ao mesmo tempo. O que vou fazer sem Neném? Sem ela num vou arrumar nem pra agoar as plantas. E ainda vou ficar sem a ajuda do meu cunhado que é pra lá de estribado, mas gosta muito da irmã e dessa vez vai ficar intrigado comigo.

    Só lembro de uma vez que Neném se arretou por causa de outra história como essa e quando cheguei em casa ela tinha rebolado minhas coisas tudo no mato. Me deixou reiado, sem nada pra vestir. Disse que eu era um caba de pêia, chei de malassombro.

    Soxtô, também não é assim. É verdade que dou meus pinotes, mas o resto é pantim que o povo inventa.

    Bom cumpadre tá bom de conversa, mas tá na hora de pegar o beco. Sei que ela tá com a gota serena, mas vou pedir perdão, afinal quando chego junto dela arreio os quatro pneus.

    Natal, 01 de maio de 2012.

    Escrito por: Marcos A. C. Dias (Mestre Marcolino)

     

    Tags: , , ,