• Esta poesia começou muitos anos atrás quando visitei o delta do Parnaíba. A idéia foi se consolidando a partir da convivência diária com as lindas dunas de Natal que, além de silenciosas, às vezes descansam sonolentas e desérticas como no Parque das Dunas.

    Mote: Passeando nas dunas tão desérticas,

    Percebi como é grande a natureza

    I

    Viajei por paragens tão distantes,

    De navio, cavalo e avião

    Na Europa, na China e no Sudão

    Por estradas e mares fulgurantes,

    Pelas terras de Cabral e de Cervantes,

    Vi países repletos de beleza

    Fiz amigos formados na nobreza

    Nos saraus nas noitadas tão poéticas

    Passeando nas dunas tão desérticas

    Percebi como é grande a natureza

    II

    No Brasil comecei por Teresina

    Fui parar nos lençóis do Maranhão

    Imponentes as dunas cobrem o chão

    A visão do lugar nos contamina

    Portentosa paisagem nos anima

    Num postal retumbante de beleza

    Uma obra de Deus tenho certeza,

    No desenho, no traço e na estética

    Passeando nas dunas tão desérticas

    Percebi como é grande a natureza

     

     

    III

    Caminhei pelas praias da Holanda

    Onde as dunas o mar quer engolir

    Logo logo eu tive que partir

    Retornando aqui pra essas bandas

    Pra rever um amor chamado Wanda

    Com seu porte altivo de princesa

    Elegante, tão fina, bem francesa

    Com sotaque suave na fonética  

    Passeando nas dunas tão desérticas

    Percebi como é grande a natureza

    IV

    Sou feliz por morar neste rincão

    Desfrutando o melhor do litoral

    Nesta linda cidade do Natal

    Vou vivendo cantando o meu bordão

    Biritando e dançando um bom baião

    No Forró da Coréia com Tereza

    Que rebola as cadeiras com destreza

    Balançando de forma tão frenética

    Passeando nas dunas tão desérticas

    Percebi como é grande a natureza

     

    Posted by antunios @ 01:07

    Tags: , ,

  • 2 Responses

    • Ernani Rodrigues de C. Filho says:

      Este poeta que estava adormecido acorda e passa escrever belas poesias fazendo com que me sinta orgulhoso de telo como primo e participado de sua infancia onde toda essas poesias foram lapidadas

    • antunios says:

      Obrigado primo

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>