• Depois de 40 anos de casados, muito amor e muita prosa, por tradição não podem faltar os versos. Comemoramos com parentes e amigos no último dia 03/12/16 em Natal/RN onde moramos. Eu Mestre Marcolino e minha fiel escudeira e companheira Ângela Venturinha.

    img009

     

    BODAS DE ESMERALDA – 40 ANOS DE CASADOS

     

    I

    Quarenta anos se foram

    Eu com você ao meu lado

    É sorte pra pouca gente

    Merece ser bem lembrado

    Com muita festa e alegria

    Muita conversa e poesia

    Momento bem festejado

    II

    Vêm amigos de Natal

    Paraíba e Pernambuco

    Queria a banda de Pífanos

    Uma salva de trabucos

    Sarapatel com cachaça

    Champanhe tomado em taça

    E pirão de osso buco

    III

    Conosco estarão presentes

    Umas quatro gerações

    O decano é tio Doca

    Cunhado de minha mãe

    Pois era irmão de papai

    Com ele não tem mas, mais

    Bisavô com muitos fãs

    IV

    Estamos muito felizes

    Pois tia Ivonete veio

    Tia Inês também presente

    Assim nada fica feio

    São duas tias queridas

    Presentes nas nossas vidas

    Nos servindo de esteio

    V

    Para uma festa completa

    De bodas de Esmeralda

    Não podem faltar os filhos

    Os netos e a parentada

    Irmãos, primos e cunhados

    Compadres e agregados

    Os amigos de jornada

    VI

    Com tanto tempo de casa

    Parece fácil fazer

    Uma festa pros amigos

    Preparar e receber

    Mas não se engane menino

    Tô com a cabeça zunindo

    Do trabalho de fazer

    VII

    Começa com o cardápio

    O que fazer pra comer?

    Pois festa só com conversa

    Ninguém faz por merecer

    Pra segurar o assunto

    Manter todo mundo junto

    Tem que comer e beber

    VIII

    Na tradição da família

    Receber bem é de praxe

    Para isso o regabofes

    Tem que ser bom e de classe

    Uma comida gostosa

    Com uma deliciosa

    Sobremesa de repasse

    IX

    Depois de muito pensar

    Estudar as opções

    De carne assada a filé

    Com salada e melões

    Depois de muito zumbido

    E atendendo a pedidos

    Ficamos com os feijões

    X

    A feijoada famosa

    Que já serviu tantas mesas

    Foi primeira na escolha

    De quem conhece a proeza

    De uma soma de sabores

    Com perfumados odores

    Satisfação com certeza

    XI

    Vindo bem acompanhada

    De uma boa farofinha

    Um arroz bem preparado

    E uma pimenta quentinha

    É um prazer infinito

    Tudo fica mais bonito

    Só falta uma cachacinha

    XII

    Tem uma couve à mineira

    Um caldinho elaborado

    Tem vinagrete fresquinho

    Um tempero aprimorado

    Tudo pra satisfazer

    Comer e a barriga encher

    E sair bem saciado

    XIII

    Tem bolo, tem sobremesa

    Cantador com violão

    Musicando nossa festa

    Com força e inspiração

    Pois recordar é viver

    A vida é um renascer

    Na poesia da canção

    XIV

    Nas lembranças dessas bodas

    No tempo que se passou

    Tem cartas, tem bilhetinhos

    Muita fé, muito fervor

    Convite de casamento

    Um registro dos momentos

    De nossa história de amor

    XV

    Lembro dos tempos no Vale

    Dos anos em Petrolina

    Que nos deu muito aperreio

    Demos a volta por cima

    E trouxemos na bagagem

    Os momentos de coragem

    E o saber que a vida ensina

    XVI

    No sertão do São Francisco

    Fizemos grande amizade

    Com Rosalvo e com Goret

    Criamos uma irmandade

    Rafael, Maíra e Neto (s)

    O time fica completo

    É pura felicidade

    XVII

    Os primeiros quinze anos

    Lá no Recife vivemos

    Lá nasceram nossos filhos

    E a todos muito queremos

    Oh Pernambuco querido

    Foi um tempo bem vivido

    Que jamais esqueceremos

    XVIII

    Foi pelas mãos do destino

    Que viemos para Natal

    Pois recebi um convite

    No campo profissional

    Pensei em passar dois anos

    A vida mudou os planos

    Fiquei nesta capital

    XIX

    Lá se vão quatorze anos

    Nesta terra potiguar

    Fizemos novos amigos

    Temos o que festejar

    Morar aqui é gostoso

    É um povo carinhoso

    Oh lugar bom de morar

    XX

    Mas, sempre falta um pedaço

    Pra festa ficar completa

    Os nossos pais já se foram

    Aí a saudade aperta

    Forjaram nossos valores

    Nos deram tempos e amores

    Para uma vida repleta

    XXI

    Nós também sentimos falta

    Dos filhos no dia-a-dia

    Dos netos então nem se fala

    Chega a dar uma agonia

    Queremos ficar mais perto

    Um dia isso vai dar certo

    Então é só alegria.

    XXII

    Bianca, Marcel e Lucas

    São nossos filhos queridos

    Com Nara e Mariana

    Formam um time aguerrido

    Já nos deram quatro netos

    E pra nós é firme e certo

    Que não tem um preferido

    XXIII

    Nara e Marcel nos deram

    Dois homens, João e Tomaz

    Bianca nos deu Vicente

    Que já é quase um rapaz

    De Mari e Lucas, Aurora

    Que é linda até quando chora

    E já sabe falar papai.

    XXIV

    Vovô Marcos, Vovó Ângela

    Venturinha e Marcolino

    Caminhado lado a lado

    E a vida lhes sorrindo

    É um amor de verdade

    Com carinho, sem maldade

    Por isso o amor é lindo

    XXV

    Aos meus irmãos e cunhadas

    Aos nossos primos e  primas

    Aos tios e tias queridas

    E que não me falte rima

    O nosso abraço apertado

    Com nosso muito obrigado

    Nossa festa não termina

    XXVI

    Para encerrar me despeço

    Do nosso grupo de amigos

    Que aqui estavam presentes

    A quem a todos bendigo

    São parte dessa alegria

    Na prosa e na poesia

    E isso eu afirmo e digo.

    Natal 03 de dezembro de 2016

    MESTRE MARCOLINO

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    Tags: , , , , , , , , , , , , ,

  • A convite de meu amigo Matias Verzutti fiz uma estrofe em setilha para participar da Coletânea Poética – SOU DA TERRA NORDESTINA II, organizada por Gélson Pessoa. Espero que o editor tenha gostado e eu faça parte dessa obra.

    Vamos à poesia:

    SOU DA TERRA NORDESTINA

    PARAIBANO DA GEMA

    DO ZABUMBA À CONCERTINA

    TUDO TOCA NO MEU TEMA

    O MUNDO AO POETA ENSINA

    QUE NOSSA VIDA COM RIMA

    SE TORNA BEM MAIS AMENA.

     

    received_866677866809124

    NATAL/RN, 09 de julho de 2016

    Marcos Antunios de Carvalho Dias (Mestre Marcolino)

    Tags: , , ,

  • A REVOLUÇÃO DA COMUNICAÇÃO APROXIMA OU AFASTA AS FAMÍLIAS?

     

    Em plena era da Internet fica claro que as distâncias praticamente sumiram. Quase todos no mundo, ou melhor, quem possui um computador ou smartphone pode se conectar com parentes, amigos em tempo real e ao redor desse mundão de meu Deus.

    Fica na minha cabeça a pergunta: O quanto isso é bom? Podem os bits substituir o calor de um abraço? E aquela conversa, aquela prosa contando as últimas resenhas?  Perdemos o hábito de mandar cartas, visitar os amigos, ver os parentes. Hoje é tudo pela web.

    Lembro que, morando a mais de 1000 km de Natal, sempre que tinha oportunidade viajava com os filhos para visitar a família, principalmente os pais e avós, fosse em Recife, em Natal, ou João Pessoa, juntar a turma toda, irmos juntos à praia, beber aquela cervejinha gelada com caranguejo e aquelas reuniões gastronômicas impagáveis e insubstituíveis. Eu e meus primos sempre fomos como irmãos, laços reforçados por longos anos de convivência.

    Hoje temos estradas duplicadas, carros mais rápidos, seguros e modernos, mas vejo os jovens sem tempo para essas visitas, já que 300 km parecem 3.000, pela falta do hábito de conviver fora do quadrilátero em que vivem.

    Gosto da tecnologia, e não há como não conviver com ela, mas, sou mais cinestésico do que visual e por isso sinto falta de um bom bate papo pessoalmente. Gosto de receber parentes e amigos. Filhos e netos então, nem se fala.

    Tags: , , , ,

  • FELIZ  2016

    Mais um ano terminando e sempre me vem à cabeça pensamentos semelhantes aos de todo final de ano. O que irei fazer, quanto vou emagrecer, e tantas outras coisas. Este ano não vou prometer outra coisa a não ser viver da forma que Deus me permite, com minhas limitações, erros, acertos, mas com a velha garra de sempre. E acreditando que tudo pode melhorar.

    Já faz um tempo que adotei uma tática diferente, em vez de chorar passei a vender lenços. Melhorei muito. 2015 passou e navegamos em águas turbulentas mas surfamos na onda. Vencemos. Assim será   em 2016. A criSe deve perder o “S” para dar lugar à criatividade. O que precisamos para vencer crises é de Liderança, Conhecimento e Método. Já enfrentei crises terríveis na nossa pátria mãe e eu e o Brasil conseguimos superar. Superaremos mais essa. Quem quiser saber o que é lutar pela vida assista aos filmes sobre a vida selvagem na África, na grande migração por água no Serengeti na Tanzânia por exemplo, ou mesmo em outros parques nacionais de vida selvagem em outros países africanos. Ali se vê que nem a vida de leão é sempre mansa. Só os mais fortes sobrevivem. Percebe-se que, diante das adversidades, o trabalho em equipe sempre se sobressai. Por isso agradeço aos meus amigos e colegas de MBA da UNI-RN, que muito contribuíram para o meu desenvolvimento pessoal e profissional. Agradeço aos meus amigos e colegas de trabalho que foram o principal elemento para que nossa organização obtivesse êxito no ano que agora termina.

    Saio fortalecido de 2015 e agradeço a Deus por ter me mantido lúcido, com espírito forte e com saúde, apesar de alguns sustos. À minha família que é a principal razão da minha existência agradeço por tudo e especialmente à minha esposa, amiga e companheira Ângela Dias que por mais de 40 anos tem sido um baluarte na minha vida, participando e me apoiando em todos os momentos, e principalmente me amando, mesmo com o passar e o cansar dos anos. Que venha 2016. Estamos juntos e misturados.

     

    Tags: ,

  • O poeta vem meio devagar, pois a cada dia surgem novas e impressionantes expressões, palavras além, é claro, novos verbos. Com tanta coisa urgente para se fazer para desentortar o país nossa ilustre presidenta vai com o nosso dinheiro à Nova Iorque falar sobre a estocagem de vento. Nada de preconceito, mas algumas letras de músicas de sucesso são verdadeiras pérolas. Mas há espaço para todos na cultura popular. Não tem como não ter, afinal tudo é o resultado do ensino proporcionado pela “Pátria educadora”.

    I

    Educar para formar cidadãos

    É tarefa difícil e portentosa

    Requerendo sempre  muita ação

    É missão nobre e gloriosa

    Pois, para formar uma nação

    Só com educação laboriosa

    II

    A cultura é perene e permanente

    É o retrato fiel de cada povo

    Sem educação, a país todo sente

    Pois pouco se produz de novo

    Não se pode desprezar a gente

    Por não saber se é filé ou ovo

     

    Beijinho no ombro e bom feriado para todos.

    Recife, 10/10/2015

     

     

    Tags: , ,

  • DE VOLTA À LUTA

    Depois de dias atribulados estou de volta à ativa. Mais pensativo, mais cuidadoso, mas com a cabeça boa. São os percalços da vida e devem servir de exemplo para se crescer e aprender. Na verdade levo uma vida bem regrada, mas estresse ajuda a tornar as coisas ruins.

    Venho acompanhando os eventos culturais do RN sem no entanto participar mais ativamente. Vou me engajar mais e divulgar também aqui no site. Meu amigo Matias Verzutti sempre me manda as novidades, como o concurso abaixo:

    Ainda dá tempo para se inscrever no 1 Concurso de Cordel de Natal com o Tema: Os encantos               de Natal.

    Inscrições até 31.08.2015 no site casadocordel.bolgspot.com.br.

    Prêmio de R$ 500,00 para estudantes do ensino fundamental;

    Prêmio de R$ 750,00 para estudantes do ensino médio;

    Prêmio de R$ 1.000,00 para o público em geral

    Dúvidas: 84 2040 0654 / 99954 6865

     

    Vamos rimar pessoal

    Cantar as coisas da vida

    Os encantos de Natal

    Nossa cidade querida

    Tags: , , ,

  • O poeta quase vai à lona. Foi um tremendo susto de consequências ainda sem definição final, mas recebi uma nova chance. Dia 01 de agosto de 2015, o dia em que quase esqueci de tudo.  Por alguns minutos sim, deu branco total. Mas, logo relembrei das coisas e fui para o hospital. Tive um AVC. Cinco dias de internação e mais cinco de espera e fiz a temida ressonância magnética hoje cujo resultado sai amanhã. Aí sim saberei o que muda daqui para a frente. Mas, voilá vamos festejar a vida. Estou feliz por Deus ter sido generoso comigo. Vamos à luta em novo ritmo, num novo tempo. Valeram as orações, o apoio de parentes, amigos, médicos e equipes, a todos meu sincero obrigado.

    Natal/RN, 10/08/2015

  • OPINIÃO: O BRASIL ELEITORAL

     

    Desde a redemocratização do Brasil, esta é sem dúvida a eleição mais disputada e com a campanha mais suja e mentirosa de que se tem registro na história. Nossa jovem democracia está passando por mais um teste. O aparelhamento do Estado pelos partidos não é novidade nem exclusividade do PT. Esta é uma prática danosa e recorrente em todos os níveis de poder na república desde os tempos iniciais. Então, a disputa não é só por votos, mas, sobretudo por poder.  O que falta então para mudar este quadro tão danoso para a nação brasileira? De início respondo: Educar.

    A educação representa a principal solução para melhorar o povo brasileiro e o país, pois através dela o cidadão pode decidir de forma mais lúcida o seu destino e o de sua pátria. A educação em todos os níveis gera oportunidades de qualificação e de renda. Não sou contra os programas sociais de renda aos mais necessitados, só que essa solução tem que ser passageira e não eterna, pois cria uma legião de dependentes, quase miseráveis, sob a falsa bandeira de pobreza combatida. A esmola, já dizia Gonzagão, para um homem que é são, ou lhe mata de vergonha, ou vicia o cidadão. E é isso que estamos assistindo, pois segundo o discurso da presidenta, são 55 milhões de pobres abastecidos com dinheiro público, o que mitiga um pouco a pobreza, mas não a resolve. Espalha-se o terrorismo de Estado em busca do poder ameaçando-se esta enorme e carente massa humana de que se votar contra o PT perderão seus parcos ganhos. É uma infâmia. Pagamos pela secular desigualdade na distribuição da renda no Brasil que é injusta e crônica, além de não interessar aos políticos uma solução de primeiro mundo.

    Nosso país vai passar por maus momentos independente de quem vai ganhar as eleições. Os preços de combustível e energia estão sendo mantidos a garrote por causa das eleições. Não tem como segurar o aumento na área de energia. A inflação é muito maior do que o que se informa. Vem arrocho e não tem como evitá-lo a curto prazo. A dívida interna é gigantesca e faz a festa dos bancos. O consumo interno não crescerá porque a população está endividada em patamares nunca visto antes. O setor industrial sofre com a falta de competitividade e investimentos. Falta mão de obra qualificada. A dívida da Petrobras chega a mais de 200 bilhões de reais, só ela. Enfim, um quadro sombrio.

    Mas, voltando às eleições, o que ocorrerá amanhã? Será que as pesquisas se confirmarão e mesmo com o mar de lama em que o governo está afundado a Sra. Dilma Rousseff será reeleita? Se assim for e houver lisura nas apurações, que se respeite a vontade dos eleitores, pois afinal cada povo tem o governo que merece e elege.

    Tags:

  • Folclore 10.03.2014 No Comments

    O carnaval em geral é sem dúvida uma grande manifestação cultural. O carnaval de Recife é fantástico com seus blocos tradicionais, maracatus, caboclinhos, caboclos de lanças, etc. Este ano o Galo da Madrugada, bloco que abre o carnaval de Recife no sábado de Zé Pereira homenageou um grande brasileiro: Ariano Suassuna. Paraibano de Taperoá, recifense por adoção e rubro negro por paixão. Nos parecemos em algumas coisas, pois sou paraibano de João Pessoa, recifense de coração e rubro negro também quando o time é o Sport Clube do Recife. Ariano é um grande escritor com obras imortalizadas como o Alto da Compadecida e o romance a Pedra do Reino. As comparações param por aí, porque eu faço meus versos e conto as minhas histórias, mas sem a verve criativa do grande mestre Ariano. Nos últimos 11 anos adotei Natal como minha cidade e fui adotado por ela. Vamos tocando em frente que o carnaval passou e o ano começou.

    Tags: ,

  • Em concurso recente de amplitude nacional, tive uma de minhas poesias de cordel selecionadas para fazer parte de uma Antologia Poética a ser publicada em breve. Farão parte do livro 250 poetas de diversos estilos escolhidos entre mais de 2000 inscritos. A poesia selecionada foi Dunas de Natal cujo mote foi: “Passeando nas dunas tão desérticas, percebi como é grande a natureza”. É um martelo com versos em decassílabos.